terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Empreendimento na Praia Brava

 Um lugar muito privilegiado que merece uma edificação responsável, com olhar no futuro, com foco na qualidade de vida, Serão 14 torres cada qual com seu layout e personalidade, todas tendo vista para o mar!
A área de lazer contará com :
* Parque das águas com praia artificial, piscinas, bar molhado,hidrocaminhada,
*Complexo esportivo com quadra de tênis, mini golf, pista de skate, cancha de bocha e piscina com raia,
*Clube: com 2 amplos pavimentos, entretenimento em 360º com diversidade de espaços de lazer, beleza, arte, diversao e relaxamento para todas as idades, a qualquer hora do dia.

APARTAMENTOS:
01 e 02 apartamentos por andar,
03 a 05 suites,
03 a 05 vagas de garagem .
Referência apto torre 06- 3 suites
 Área priv. : 151.49m2
Área total: 311.78m2
Preço do metro quadrado: R$ 4.078,84

R$ 1.272.000,00 VALOR (SET/ 2011) 



PERSPECTIVA DE VALORIZAÇãO QUANDO ESTIVER PRONTO:
45,45% EM 2 ANOS E 5 MESES 

R$2.300.000,00












sábado, 25 de fevereiro de 2012

Vendo apartamento com 4 suítes em Balneário Camboriu



Morar neste apartamento  é investir em qualidade de vida. O empreendimento possui uma excelente localização central, próximo a uma rede de comércio e serviços indispensáveis no dia-a-dia. Além de um apartamento amplo e confortável, você e sua família poderão aproveitar a completa estrutura de lazer para diversão, práticas esportivas e recepções especiais.
  • Sacada com churrasqueira
  • Living com 2 ambientes
  • Terraço
  • Lavabo
  • Planta flexível 



  • 4 Dorm. sendo 2 suítes
  • 2 Vagas de garagem *
  • 2 Apartamentos por andar
  • 240,76m2 de área total **
  • Sacada com churrasqueira
  • Amplas salas de jantar e estar
  • Lavabo
  • Piso laminado de madeira nos dormitórios
  • Áreas internas em porcelanato 90x90cm
* Incluída 01(uma) vaga de garagem dupla.
** Incluída na metragem 02(duas) vagas de garagem sucessivas


















  • Piscina adulto e infantil
  • Salão de festas
  • Academia
  • Espaço zen
  • Quadra poliesportiva
  • Sala de Jogos
  • Garage band
  • Brinquedoteca
  • Terraço gourmet c/ churrasqueira e forno de pizza
  • Espaço gourmet
  • Office





quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Balneário Camboriú – Praia Central Ganhará um Moderno Complexo Turístico.


Seguindo sua vocação de palco de festas  eventos, oferecendo aos turistas e moradores de Balneário Camboriú e região, shows, feiras, a Praça Almirante Tamandaré ganhará um belo complexo turístico com restaurantes auditório com capacidade de receber 360 pessoas.
De frente para o mar e no espaço que a muito e sem muita estrutura, já se notabilizou como endereço de eventos, shows, feiras e comemorações.
Com este novo empreendimento Balneário Camboriú oferecerá mais conforto aos turistas e moradores.


Fonte: Revista Prestando Contas Balneário Camboriú.
28/07/2011

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Os 10 mandamentos para a compra de um imóvel



Encontrar o imóvel ideal exige dedicação. Com tantos lançamentos, as opções disponíveis no mercado, entre novos e usados, são muitas, mas encontrar aquele que se encaixa perfeitamente no orçamento e nas necessidades da família é tarefa que demanda empenho. Para começar a procurar, o primeiro passo é delimitar a região de interesse e o preço. A partir daí, 10 mandamentos te ajudarão a comparar os imóveis e fazer a melhor escolha:
1- Estado de conservação: verifique se existem, trincas no piso ou na parede; manchas de umidade indicando possibilidade de vazamentos; peças ou partes que apresentam possibilidade de se soltar (azulejos e pisos, por exemplo).
2- Idade do imóvel: com a idade, o imóvel passa a apresentar problemas e necessitar de manutenção freqüente. Quanto mais novo, melhor.
3- Acessibilidade: é importante verificar a proximidade do imóvel à rede de transportes. Quanto mais vias de acesso e tipos de transporte (ônibus, trens, metrô etc.), mais fácil será o dia a dia da família para ir e voltar dos locais rotineiros.
4- Vizinhança: este item depende muito do perfil do comprador. Deve-se buscar sempre, de acordo com seus objetivos, a vizinhança que mais lhe agrade. Uma boa vizinhança valoriza o imóvel.
5- Posição em relação ao sol: imóveis com face norte tendem a ser mais iluminados e menos úmidos. Em outras palavras, são mais saudáveis.
6- Documentos: cuidado com a documentação, escritura e registro do imóvel (matrícula). Se tiver alguma dúvida, procure um profissional e não dê nenhuma entrada ou parcela de pagamento sem ter certeza que toda documentação está correta.
7- Potencial de valorização: Consulte a prefeitura ou sub-prefeitura do bairro para saber se haverá algum projeto de infraestrutura que possa significar desapropriações. Este é o lado negativo de um imóvel para o qual faltou informação na hora da compra.
8- Condições ambientais: cuidado com áreas sujeitas a enchentes, ou seja, locais baixos e próximos a rios e córregos. Verifique também a proximidade com lixões e, particularmente, o passivo ambiental do imóvel. Em outras palavras: cheque se o terreno onde o imóvel foi construído pode ter problemas vindos de ocupações anteriores.
9- Ruídos: tenha certeza de que o barulho não será um problema. Vias com tráfego excessivo, na rota de aviões e helicópteros, próximos a linhas férreas, por exemplo, podem incomodar.
10- Construtora: uma boa construtora trará menos dores de cabeça na futura manutenção do imóvel. Verifique se há reclamações pela internet junto a órgãos oficiais e se há reclamações de atrasos de obras. Pesquise no Procon.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Saiba mais sobre a cobrança do IPTU



Já diz o ditado: "da morte e dos impostos ninguém escapa'. 
No início do ano, os responsáveis por praticamente todos os lares e estabelecimentos comerciais do país recebem o boleto de pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano, o IPTU. Muitos se assustam com a cobrança e contestam os valores na Justiça.
Os questionamentos são diversos: erro de cálculo, aumento irregular, complementação de cobrança, quem é o verdadeiro responsável pelo pagamento, prescrição... O Superior Tribunal Justiça (STJ), guardião da interpretação da legislação federal e uniformizador da jurisprudência, já se pronunciou sobre todas essas questões – algumas delas sob o rito dos recursos repetitivos, que estabelece uma orientação para todos os magistrados do país, embora as decisões não sejam vinculantes.

Base de cálculo e majoração
A cobrança do IPTU é de competência dos municípios. Tem como fato gerador a propriedade predial e territorial urbana. Sua base de cálculo é o valor venal do imóvel, fixado na Planta Genérica de Valores, que determina o preço do metro quadrado.
De acordo com a jurisprudência do STJ, o aumento da base de cálculo depende da elaboração de lei. O entendimento está consolidado na Súmula 160: “É defeso [proibido] ao município atualizar o IPTU, mediante decreto, em percentual superior ao índice oficial de correção monetária.” Essa também é a posição do Supremo Tribunal Federal.
Seguindo essa tese, a Segunda Turma negou recurso do município de Bom Sucesso (MG), que aumentou a base de cálculo do IPTU por meio de decreto. De acordo com o relator, ministro Humberto Martins, mesmo que o Código Tributário Municipal traga critérios de correção dos valores venais dos imóveis, o município não está autorizado a majorar os valores sem a participação do Pode Legislativo local (AResp 66.849).
Quem paga
O artigo 34 do Código Tributário Nacional (CTN) define como contribuinte do IPTU o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor a qualquer título. A controvérsia surgiu diante de existência de negócio jurídico que visa à transmissão da propriedade, como os contratos de compromisso de compra e venda.
A jurisprudência do STJ estabeleceu que tanto o promitente comprador do imóvel quanto o promitente vendedor (que tem a propriedade registrada no Registro de Imóveis) são contribuintes responsáveis pelo pagamento do IPTU. Ambos podem figurar conjuntamente no polo passivo em ações de cobrança do imposto. Cabe ao legislador municipal eleger o sujeito passivo do tributo, contemplando qualquer das situações previstas no CTN.
Sob o rito dos recursos repetitivos, a Segunda Turma decidiu que, havendo mais de um contribuinte responsável pelo pagamento do IPTU, o legislador tributário municipal pode optar prioritariamente por um deles. Caso a lei aponte ambos ou nenhum, a escolha será da autoridade tributária (REsp 1.110.551).
Complementação de cobrança
O artigo 149 do CTN elenca as hipóteses em que a autoridade administrativa pode fazer a revisão, de ofício, do lançamento tributário. Entre elas está o caso de apreciação de fato não conhecido ou não provado por ocasião do lançamento anterior. É o chamado erro de fato, que não depende de interpretação normativa para sua verificação.
Por outro lado, quando se verifica erro de direito, por equívoco na valoração jurídica dos fatos, não é possível a revisão. O mesmo acontece quando há modificação dos critérios de cálculo por decisão administrativa ou judicial. Eles só passam a valer para novos lançamentos, após a alteração.
O erro de fato ocorre, por exemplo, quando o IPTU é lançado com base em metragem de imóvel inferior à real. Quando o município constata, por meio de recadastramento do imóvel, que a área era maior do que tinha conhecimento, a complementação do imposto pode ser cobrada, respeitando o prazo decadencial de cinco anos.
Em julgamento de recurso repetitivo, a Primeira Turma decidiu que, se o lançamento original reportou-se à área menor do imóvel, por desconhecimento de sua real metragem, o imposto pode ser complementado, pois a retificação dos dados cadastrais não significa recadastramento de imóvel.
O recurso era do município do Rio de Janeiro, que em 2003 cobrou de proprietários de imóveis residenciais a diferença de IPTU relativa ao exercício de 1998. No recadastramento dos imóveis, constatou-se que a área sujeita à tributação era muito superior à que vinha sendo tributada (REsp 1.130.545).
Em outro caso, o município de Belo Horizonte fez a revisão do lançamento de IPTU referente a imóvel cujo padrão de acabamento considerado era diferente da realidade. A Segunda Turma entendeu que o lançamento complementar decorreu de um verdadeiro erro de fato, possibilitando a revisão da cobrança (AREsp 30.272).
Prescrição
Também em julgamento de recurso repetitivo, o STJ consolidou o entendimento de que o prazo prescricional para ajuizamento de ação declaratória de nulidade de lançamentos tributários (para anulação total ou parcial do crédito) é quinquenal. A contagem começa na data de notificação do contribuinte.
Para a ação de repetição de indébito, que visa à restituição de um crédito tributário pago indevidamente ou a mais do que o devido, o prazo também é de cinco anos, a contar da data de extinção parcial ou total do crédito, momento em que surge o direito de ação contra a Fazenda. E isso ocorre no instante do efetivo pagamento (REsp 947.206).
Taxas ilegais
Muitos processos chegaram ao STJ questionando a validade do lançamento de IPTU que continha também cobranças de taxa de limpeza pública e conservação de vias e logradouros e taxa de combate a sinistros. Essas taxas foram consideradas ilegais.
Em um dos casos, uma fundação hospitalar alegou que a impugnação das taxas tornava o lançamento do IPTU nulo, pois o ato ou procedimento administrativo seria único. Para o STJ, o reconhecimento de inexigibilidade das taxas não implica a realização de novo lançamento do imposto. “Até porque, o fato de as taxas serem ilegais não torna nulo o IPTU”, afirmou no voto o ministro Mauro Campbell Marques, relator do recurso.
De acordo com a jurisprudência do STJ, a retirada das taxas ilegais pode ser feita pelo próprio contribuinte com um simples cálculo aritmético, ou seja, basta subtrair da cobrança os valores indevidos (REsp 1.202.136).
Penhora do imóvel
O único imóvel residencial da família pode ser penhorado para pagamento de IPTU. A autorização está no artigo 3º da Lei 8.009/90, que dispõe sobre a impenhorabilidade do bem de família. O dispositivo afasta a impenhorabilidade em caso de cobrança de imposto predial ou territorial, taxas e contribuições devidas em função do imóvel familiar.
Essa regra é que permite a penhora do imóvel de família em ação de execução para cobrança de taxas de condomínio, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal. A tese foi aplicada no julgamento de um recurso especial interposto pelo proprietário de imóvel penhorado. A Primeira Turma manteve a penhora (REsp 1.100.087).
Concessão de bem público
Não incide IPTU sobre imóveis objeto de contrato de concessão de direito real de uso em razão da ausência do fato gerador do tributo. Foi o que decidiu a Segunda Turma, no julgamento de um recurso da Sociedade Civil Vale das Araucárias. Os ministros entenderam que a incidência do tributo deve ser afastada nos casos em que a posse é exercida precariamente, bem como nas demais situações que não estejam diretamente relacionadas com a aquisição do bem.
O debate girou em torno da possibilidade ou não de incidência no imposto sobre bens públicos (ruas e áreas verdes) cedidos com base em concessão de direito real de uso a condomínio fechado. A Turma entendeu que não é possível.
O relator, ministro Castro Meira, citou a definição de contribuinte prevista no artigo 34 do CTN e o artigo 156 da Constituição Federal, segundo o qual cabe ao município instituir o imposto sobre propriedade predial e territorial urbana. “Nesse contexto, o STJ tem entendido que a posse apta a gerar a obrigação tributária é aquela qualificada pelo animus domini, ou seja, a que efetivamente esteja em vias de ser transformada em propriedade, seja por promessa de compra e venda ou por usucapião”, afirmou o ministro.
No caso julgado, os ministros consideraram que o contrato de concessão de direito real de uso não proporciona ao condomínio a aquisição da propriedade concedida. Nessa situação, a posse não viabiliza ao concessionário tornar-se proprietário do bem público.
Quanto à inserção de cláusula contratual prevendo a responsabilidade do concessionário por todos os encargos civis, administrativos e tributários que possam incidir sobre o imóvel, a Turma decidiu que não há repercussão sobre a esfera tributária, pois um contrato não pode alterar as hipóteses de incidência previstas em lei (REsp 1.091.198).
Fonte: Superior Tribunal de Justiça

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

It´s Valentines!



 Sempre existe um bom motivo para celebrar o seu  amor... 


...Que Tal um Delicioso Café da Manha de 

Frente para o Mar?

FRENTE MAR! Apartamento com amplas sacadas, vista privilegiada,3 suítes sendo 1 master (com hidromassagem), dependência de empregada, churrasqueira privativa, tubulação para ar-condicionando split, piso em porcelanato ,fino acabamento. Apenas 2 aptos por andar , o condomínio conta ainda com espaços destinados para academia, home cine, piscina adulto e infantil , sauna , playground, sala de jogos, salão de festas , sala de massagens . Consulte-nos! 47 3361 7707 

Happy Valentine´s Day ;-)

Histórico Hotel Fischer - Década de 60

Hotel em Balneário Camboriú

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Ótimo fim de semana!

Esta semana estaremos trazendo novidades...

Mercado está aquecido para venda de imóveis usados



A facilidade de acesso ao financiamento habitacional está facilitando a comercialização de imóveis, principalmente para a classe média, que busca a casa própria. A afirmação é do corretor de imóveis e proprietário da Boavista Imobiliária, Wilson Vergílio Real Rabelo. "Para venda, além da mobilidade e da segurança, o comprador também busca o melhor custo benefício. É neste ponto que os imóveis usados ganham a preferência, principalmente de quem está adquirindo a primeira casa ou apartamento", explica Rabelo.

Para quem deseja vender seu imóvel, o corretor tem algumas dicas, como por exemplo, estar com o IPTU em dia e regularizar o registro imobiliário. "O vendedor deve colocar o imóvel para venda em uma imobiliária de confiança, que seja favorável à segurança na negociação, permitindo que a venda ocorra sem atropelos. A experiência da empresa no mercado imobiliário também é um importante fator a ser levado em consideração", ressalta Rabelo.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Itapema - Vivencie um lazer absoluto e muito luxo de frente para o mar


Poucas vezes Santa Catarina recebeu um empreendimento residencial tão sofisticado e exclusivo como o este. Tudo nele surpreende: o espaço, o clima de resort privativo com pé na areia, a qualidade dos acabamentos.

Os apartamentos mais espetaculares da região contam também com uma grande área de bem estar e lazer exclusivas, para que você e sua família tenham tudo o que precisam, com uma privilegiada vista para o mar.
400 m2 /4 suítes/ altíssimo padrão !




















Conta com um incrível lazer externo que inclui: piscina adulto, piscina esporte, piscina para crianças, um deck molhado e um solarium. Espaço ideal para se refrescar o dia inteiro.Com seus mais de 6.000 m² de lazer, oferece ótimas opções de diversão e atividades para crianças e adolescentes. A quadra poliesportiva, ótima para animados campeonatos e um playground, para que seus filhos brinquem com segurança e diversão.


Além disso, temos um bar molhado com serviço: um verdadeiro privilégio para os moradores que exigem o melhor, até dentro d´água.


Últimas unidades, agende sua visita! 47 88382077


{Venda de apartamento em Itapema}

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Cardoso Atelier


Durante as férias conheci o Cardoso Atelier em Punta Del Este ,  e não pude deixar de lembrar da querida amiga  Raquel Cardoso, que adora arte também já teve o seu atelier ....Raquel se despede esta semana da nossa equipe, em busca de uma nova etapa em sua vida profissional como DESIGNER DE INTERIORES ... fica esta pequena lembrança, nosso muito obrigado e votos de muito sucesso na carreira ! 







Recent Posts

www.fredericaimoveis.com

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...